Av. José Caballero nº 245, Sala 62 - Santo André-SP 11 4432-3659

Desenvolvimento de Processos

Desenvolvimento de Processos


RECUPERAÇÃO DE BUTANOS

A Pro-Tech foi abordada por um fabricante nacional de Polipropileno Expandido (PPE), cujo processo produtivo era à época baseado em uma licença de uma multinacional europeia. Tal processo utilizava como agente de expansão uma mistura de butanos (normal e iso), alimentada em fase líquida sob alta pressão a um reator em batelada, que ao final do processo tinha seu conteúdo descarregado para um vaso a pressão atmosférica, provocando a expansão da resina de polipropileno pela vaporização súbita da mistura de butanos, que por sua vez era enviada para queima em um flare. Devido ao alto custo dos butanos no Brasil, bem como a constantes problemas relacionados à eficiência de queima em flare, a empresa buscou inicialmente suporte junto à licenciadora da tecnologia visando a minimização das perdas de butanos. A licenciadora não teve interesse em modificar o seu processo, porém liberou a empresa brasileira para buscar uma solução local. Assim, a Pro-Tech foi contratada com o desafio de desenvolver um processo para recuperação de butanos tendo como “limite de bateria” a saída de gases do vaso de expansão. Após o estudo de inúmeras alternativas, baseadas em diversas tecnologias (absorção, adsorção etc.), a Pro-Tech terminou por conceber um processo baseado em estágios de compressão seguidos de auto-refrigeração, com pré-tratamento dos gases para remoção de vapor de água e etapas intermediárias para remoção de incondensáveis (principalmente nitrogênio oriundo da inertização do reator). Ao final do Projeto Conceitual, a Pro-Tech recebeu sinal verde para proceder às etapas subsequentes de Projeto Básico e Projeto Detalhado, ao final das quais foram elaboradas análises de viabilidade econômica que reiteraram a viabilidade do processo. Finalmente, a empresa decidiu pela implantação do projeto, onde a Pro-Tech coordenou a montagem da unidade que, após sua partida, atingiu a taxa de recuperação esperada de mais de 75% da mistura de butanos alimentada ao processo, eliminando inclusive a necessidade de queima em flare.